A carregar...

Proteção contra Descargas Atmosféricas em Postos de Combustível

Proteção contra Descargas Atmosféricas em Postos de Combustível

A instalação, construção, reconstrução, ampliação, alteração, conservação e exploração das instalações de armazenamento de produtos de petróleo de postos de abastecimento de combustíveis e de redes de distribuição de GPL implicam a realização de obras sujeitas a controlo prévio, nos termos do  Regime Jurídico da Urbanização e da Edificação.

 
Este tipo de instalações obedece a uma classificação de locais segundo as R.T.I.E.B.T. extremamente minuciosa, sendo ainda classificada como uma instalação com risco de incêndio e também por isso classificada como uma zona ATEX (Atmosfera Explosiva).



Avaliação dos Riscos de Explosão


A avaliação dos riscos de explosão torna-se uma enorme responsabilidade para quem projeta e executa uma instalação desta natureza e incide sobre:

> A probabilidade de ocorrência de atmosferas explosivas e a sua duração;

> A probabilidade da presença de fontes de ignição e a possibilidade das mesmas se tornarem ativas e causarem risco;

> As descargas eletrostáticas provenientes dos trabalhadores e do ambiente de trabalho;

> As diferenças de potencial;

> As descargas atmosféricas;

> As instalações, substâncias utilizadas, processos e eventuais interações entre elas;

> As áreas ligadas a áreas que possam formar atmosferas explosivas;

> A amplitude das consequências previsíveis


Por ser um local de acesso ao público, a proteção de pessoas (trabalhadores e utilizadores) dos postos de combustível torna-se essencial, podendo um acidente provocar danos materiais e humanos que podem ainda ser agravados quando se encontram localizados em centros urbanos, para além das perdas que podem ocorrer pela quebra da continuidade de serviço ou o encerramento de vias públicas, como por exemplo auto-estradas. 



Como podemos fazer a proteção destas instalações contra descargas atmosféricas e os fenómenos eletroestáticos?


Uma proteção eficaz só é conseguida pela adoção de um modelo de proteção global, composto pelo Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas, sistema de proteção contra sobretensões, rede de terras e pelo perfeito acoplamento e harmonia entre eles, devendo ainda a sua verificação e manutenção ser assegurados no tempo, de acordo com o dossier de execução, verificação e manutenção requeridos pelas normas em vigor. 



1. Rede de terras


Rededeterras > Permite a proteção da instalação elétrica e dos equipamentos


> Permite a proteção de pessoas, ao assegurar valores de tensão de toque e passo inferiores aos valores tolerados pelo corpo humano


 > Permite o bom funcionamento dos sistemas de proteção contra descargas atmosféricas e descarregadores de sobretensão


> Efetua o escoamento de correntes indesejáveis ao sistema elétrico, provocadas por diferenças de potencial



O valor da resistência de terra deve satisfazer os requisitos estabelecidos pela lei em vigor. Contudo, a minimização do valor de resistência de terra não deve ser conseguida a todo o custo. A utilização de condutores inapropriados ao tipo de solo e a adoção de materiais para melhoramento de terra inadequados podem provocar o aumento significativo da corrosão dos metais, que levam à redução da longevidade da instalação elétrica e por consequência ao aumento do valor de resistência de terra para valores inaceitáveis. Deve ainda ser considerada uma rede de equipotencialidades, onde todas as estruturas metálicas (pilares, revestimentos, válvulas, canalizações, depósitos, equipamentos elétricos) devem ser ligados. Só desta forma eliminaremos diferenças de potencial, que atenuaram fenómenos eletroestáticos. Em caso de descarga atmosférica e fenómenos de sobretensão evitaram também correntes perigosas, minimizando os riscos de explosão.



2. Proteção contra descargas atmosféricas


IoniflashConnectA avaliação da necessidade de proteção, os benefícios económicos da sua aplicação  e a definição das medidas a adotar, devem ser determinadas em condições de gestão de risco. Esta gestão de riscos é tratada na IEC 62305-2.

Os riscos que devem ser tidos em conta são so seguintes:

> R1: Risco de perdas ou lesões permanentes de vida humana;

> R2: Risco de perdas de serviços públicos;

> R3: Risco de perdas de património cultural;

> R4: Risco de perda de valor económico


Um dispositivo de proteção contra descargas atmosféricas é necessário sempre que um destes riscos seja superior ao RT (Risco tolerável), definido no referencial normativo, o que acontece sempre neste tipo de instalações, sendo necessário mesmo tomar medidas de proteção adicionais, de acordo com a NP 4426:2013. 


Estas medidas adicionais são tomadas na adoção do nível I++ de proteção e levam à necessidade de medidas de equipotencialização suplementares, bem como a redução dos raios de proteção em 40%.




3. Proteção contra sobretensões


DescarregadorA proteção dos sistemas elétricos é essencial, permitindo o correto funcionamento de toda a instalação elétrica e equipamentos (bombas, sensores, entre outros), com especial enfoque dos sistemas de segurança da instalação (alarmes, sensores de controlo, sistemas de evacuação), que em caso de emergência deverão estar em plenas condições de funcionamento.







Descarregadores de sobretensão:

> Descarregadores de proteção grossa (DST tipo I+II), para escoamento de correntes na onda 10/350µs – Nos quadros gerais, ou nos quadros de entrada de edifícios dotados de para-raios. 

> Descarregadores de proteção média (DST tipo II) para escoamento de correntes na onda 8/20 µs- Nos quadros parciais

> Descarregadores de proteção fina (DST tipo III) para escoamento de correntes na onda 1.2/50 µs – Junto a cargas mais críticas e sensíveis

> Descarregadores de sobretensão para linhas de transmissão de dados e voz

> Descarregadores de sobretensão para linhas de CCTV



Kit de Proteção contra Descargas Atmosféricas para postos de combustível 


IoniposteO para-raios será instalado em Ioniposte com 8, 10, 12, 15m ou mais de altura, o mais afastado possível do perímetro com classificação EX0.


Descarregador de proteção grossa:

> Tipo I+II

> Escoamento de corrente de 25kA por polo

> Ligação em modo diferencial (maior capacidade de escoamento- 100kA)

> Rapidez de atuação (baixa tensão residual-Up)

> Sinalização local e remota em caso de falha 

> Tecnologia VG para maior fiabilidade

> De acordo com a IEC 61643-11



Fique descansado, a Infocontrol está cá para o ajudar a proteger as suas instalações!


Contacte-nos




-





* Campo de preenchimento obrigatório
Pretendo subscrever a Mailing List
Produtos

Pesquisar

Newsletter

Receba as nossas notícias no seu e-mail